quarta-feira, 3 de agosto de 2016

É INTERNACIONAL, MAS NÃO DESGRUDA DAS ORIGENS



Ele é meu irmão. E ninguém pode duvidar desse parentesco porque Jesus também está em seu nome de batismo. É bem verdade que adotou outro sobrenome quando começou a ganhar espaço na imprensa, mas nunca abriu mão do original. “E eu sou doido”? diz o diagramador – um dos melhores que conheci, antes do advento da editoração eletrônica – que percorreu os caminhos do Rotaract e rodou o mundo, já com o nome completo: Valter de Jesus Xéu.

Vivemos um número incontável de histórias por essa Bahia de meu Deus, ao lado de personagens que, mesmo já tendo passado para o plano espiritual, continuam fazendo parte de nossa vida. “Cida!”, grita ele, para se certificar que nossa amiga e igualmente irmã teria a citação merecida. Com ela, conhecemos o melhor lado deste mundo tão cheio de lados ruins. Porque sempre enxergava o lado bom de todas as coisas, de todas as pessoas, de todos os lugares. “Ah, e Egberto?”, questiona.

Certo dia, uma manhã de domingo, estávamos tomando café com cuscuz e carne de charque em minha casa e ele sai com esta pérola: “Estive com Cida ontem, conversamos um tempão e eu dei o maior esporro naquele mocreia. Quem mandou ela morrer tão cedo?”. Ele tinha ido ao cemitério onde a jornalista mais querida desta e de tantas outras cidades foi sepultada. Na certeza de que o amor verdadeiro pode vencer até as barreiras da morte.

Eu poderia desfilar uma imensa lista de pessoas que passaram pela vida do inquieto Valter Xéu, que hoje vive em Brasília, mas só corta e pinta os cabelos em Feira de Santana – pronto, falei! Principalmente mulheres. Mas vou ater-me a uma, apenas. Elis Regina Machado, que sonhava ser jornalista formada e abriu mão de tudo para viver em Aracaju (SE), onde cursou Comunicação. Ou seja, para aprender a teoria daquilo que já sabia. Como, aliás, acontece com todos os jornalistas provisionados.

A doce Elis se despediu dos amigos precocemente, em um domingo, perto de meio dia. Ou melhor, não houve despedida, porque um acidente brutal, uma semana depois da formatura, ceifou a sua vida de forma abrupta. Mas ela deixou um legado incomensurável: A filha Juliana Tito – a mais velha das meninas de Xéu; depois vieram Cecília e Mariana. Também jornalista, segue as pegadas dos pais e das tias de empréstimo, incluindo Neire Matos e eu. Ah! sim, tem ainda a minha sobrinha cubana Maria Mercedes.

Realmente eu não lembro a origem do nome Xéu, mas isso não tem a menor importância, para quem se tornou conhecido como o Embaixador de Cuba, levando para conhecer a Ilha de Fidel Castro inúmeros jornalistas e políticos. Vale ressaltar que nesta área, a política, ele ocupa posição de destaque, não somente pelo trabalho de assessoria que presta, mas pela relação de amizade que desenvolve com as lideranças desse segmento.

Os filhos são, sem dúvida, a sua melhor parte. Aqueles menininhos mirrados, como diria meu pai, se tornaram grandes homens, na mais pura subjetividade do adjetivo grandeza. Flávio, Eduardo, Leo e Ricardo. Todos Tito, aliás, como as meninas. E eu, do alto da minha posição de “tiazona” – forma carinhosa adotada por Leo, antes de se tornar um grande fotógrafo – vejo surgir uma nova geração de herdeiros de Xéu. Os quatro filhotes já são pais e, posso afirmar, tão bons quanto o agora “vô”.

Pois é, o editor do site Pátria Latina é mesmo internacional. Mas não consegue se desgrudar das origens, especialmente das comidas com gosto de casa de parente do interior e das conversas em volta da mesa. Coisa de quem tem família grande, mesmo que espalhada, como a dele. Mas que pode se juntar em um estalar de dedos (olha o velho Zinho aí de novo!). E a propósito do parentesco, somos nascidos na mesma cidade, Conceição do Jacuípe. Quem sabe...

Madalena de Jesus

2 comentários:

  1. Uhu! Viajei no tempo! Obrigada, Madá!

    ResponderExcluir
  2. Valter Xeu, vulgo meu painho, Madalena de Jesus, vulgo tiazona, figuras ilustres no cenario jornalistico e politico...

    ResponderExcluir